domingo, 27 de novembro de 2016

As coisas que eu faço | tricô

Bom dia !!!!

Hoje venho falar sobre uma das coisas que faço 😬 que é o tricô!
Nem sempre soube fazer e na verdade demorou um pouco até que realmente gostasse de tricotar. Aprendi uma parte com uma vizinha no ano passado mas aquilo parecia meio chinês para mim e depois da compra das agulhas e respectivas lãs deixei tudo num canto escuro com a esperança que viesse a ser utilizado, o que aconteceu este ano.
Deu me uma inspiração ou algo parecido, assim que peguei nas agulhas e nos novelos pronta para uma nova aventura cheia de fracassos iniciais e muito desespero pelo caminho.
Entre videos (montes e montes deles) e o que me lembrava aprendi também a não desistir, estive pelo menos umas 4 horas com o mesmo novelo a desmanchar e recomeçar, dizia para mim mesma que só terminaria quando conseguisse começar e terminar sem erros ! (ou quase sem erros)

Assim foi, larguei as agulhas e agora pego nelas todos os dias sempre que existe um tempinho livre e por vezes até as levo comigo à rua! 😂
Já faço o ponto tricô basico e o ponto meia, cachecóis e golas de dupla volta, apenas uma volta ou trançada, mantas para os cães aos molhos e imensas revistas para aprender a fazer mais!
Tenho de admitir que é muito relaxante e dá imenso jeito agora no Natal pois pode-se fazer muitas prendas, da cor que quiserem, o modelo que preferirem! Fora que ganha todo um significado para quem faz e recebe, para além dos custos perdemos o nosso tempo a criar algo para alguém e isso requer amor também ❤️
Se alguém por aqui quiser aprender tenho todo o gosto em ensinar e enviar os videos que me ajudaram, é uma daquelas coisas que todos devíamos saber fazer!
Espero que gostem das fotos, depois publico mais resultados, algumas são para oferecer então tem de ficar no segredo dos deuses 😬
Tenho andado mais ausente mas é por uma boa razão que em breve publicarei aqui pois faz de mim uma pessoa ainda mais feliz! 😊
Kisses

sábado, 19 de novembro de 2016

A rapariga no Comboio | read one book a week #1

Olá :)

Hoje venho escrever sobre um livro que li e também o primeiro post sobre o tema: Read one book a week, que é isso mesmo, um livro por semana que irei ler e dar a minha opinião sincera e desastrosa sobre o mesmo. Alguns são novidade enquanto outros são aqueles livros que todos temos guardados em um canto e sabe-se lá porquê nunca os lemos. Para contrariar isso tenho este objectivo pessoal de um livro por semana e venho com algum atraso neste post pois ausentei-me um tempinho, na verdade já peguei no segundo livro e este que aqui hoje falo li em apenas uma noite.

É verdade! Eu li este livro numa noite e fazia muitos anos que não me acontecia algo assim, simplesmente não consegui parar de ler e o resultado foi uma directa em cima, olhos de mocho e muito, muitooooo café!

Mas valeu a pena, quem ainda não leu recomendo ler pois é um daqueles thrillers que só sabemos realmente o desfecho quase no final do livro sendo toda a leitura um amontoar de pistas contraditórias que nos deixam a roer as unhas!

Gostei bastante deste livro de Paula Hawkins e fiquei super curiosa para ver o filme, normalmente prefiro ler primeiro o livro e caso exista o filme vejo depois.
Foi um presente de aniversário do meu irmão em conjunto com a namorada porque já sabem que adoro ler e um livro é sempre uma prenda bem vinda.

Não gosto de ser spoiler portanto vou apenas dar umas 'luzes' do que li, espero que gostem e fiquem com vontade de o ler.

No fundo este livro conta com quatro personagens principais, sendo que uma se encontra presente muito mais que os restantes como se tudo girasse à volta dela mas se não existirem os outros não tinha piadinha nenhuma, chama-se Rachel.
Rachel faz o mesmo percurso de comboio todos os dias e observa o que se passa ao seu redor de maneira bastante interessante, fantasia e cria histórias para que essas travessias se tornem mais agradáveis, a sua vida está virada do avesso pois passou por um divórcio e por consequência ficou bastante depressiva andando de mãos dadas com um problema com a bebida, que já vinha de antes desse mesmo divórcio.
Toda a trama é narrada na primeira pessoa, vamos lendo o livro e quase parece um diário com tudo descrito e todas essas quatros pessoas tem a sua parte narrativa, lemos os pensamentos de cada um conseguindo assim entender a história ou algumas vezes nos escapar o que realmente aconteceu.

Tudo se altera quando Rachel se vê numa situação em que a História que criou para duas das personagens desmorona (um casal que Rachel via nas suas viagens e que nada sabia acerca deles) isso cria em Rachel uma ruptura emocional fazendo com que ela decida fazer algo, qualquer coisa.

É um descarrilar de emoções, o ex-marido de Rachel e sua nova mulher, mulher essa que demonstra um comportamento isento de remorsos por ter sido a amante e agora ser a típica mulher de casa a cuidar da filha e sem fazer nenhum pois é o homem que trabalha, é o crime existente que só por si só já é motivo para uma nova personagem ( mas não tão nova assim, é apenas uma das pessoas que Rachel observava e cuja vida fantasiou) a Megan.
Que desaparece e mais tarde com as típicas chuvas Londrinas vem ao de cima como cadáver mudando novamente todo um conjunto de conspirações, sendo a Megan a única pessoa que mesmo tendo o seu papel na primeira pessoa vem datado com diferença de um ano quando comparado a Rachel e os demais.

Desenrola-se todo um drama emocional e psicológico em volta deles, sendo a Rachel a mais intrometida com base em mentiras e muitas bebidas. Devo dizer que umas das partes que não gostei deste livro foi o diálogo fútil quando se tratava de falar sobre a Rachel, várias personagens opinam durante todo o livro sobre a forma física de Rachel, chamando-a de gorda e diversos outros comentários como se realmente fosse o mais importante sobre uma pessoa tirando o facto de ser alcoólica e depressiva.

É um livro capaz de nos fazer suster a respiração, tem o tamanho certo e pode-se ler numa noite ihih

Não posso dizer muito mais para que fiquem curiosos o suficiente a ponto de o ler :)

kisses


terça-feira, 8 de novembro de 2016

Make America Great Again

And a great wall to.

Bom dia!
Muitos não dormiram ainda, outros deitaram-se a pensar que quando acordassem o mundo seria um pouco melhor, esta noite eleitoral foi tudo menos o que desejara.

Não consigo encaixar. Como é possível a maioria ter ido para o Trump Trampa? Depois de um maravilhoso Obama podíamos lidar com uma Hillary, mas o DONALD TRUMP?!
Ainda me custa a acreditar que os Americanos comam me*** ás colheres e tenham deixado o bom senso no mesmo sitio de onde vem essa mesma me***.

Desculpem-me a linguagem, fui das que ficou toda a noite a roer as unhas com esta noite de eleições, não é o meu país, é só o país mais rico do mundo e que quer queiramos quer não, se Donald for Presidente dos EUA e realizar tudo o que proferiu vamos ter problemas a nível mundial.

Gostava mesmo que isto fosse apenas um pesadelo, acordava agora e Trump estava de saída com o rabo entre as pernas. Mas não, agora são quatro anos, quatro anos que teremos de lidar com o Presidente dos Estados Unidos da América mais racista, preconceituoso, egocêntrico, xenófobo e sem dúvida alguma o mais inconstante, perigoso e podia ficar aqui todo um dia a insultar essa personagem.

Sinto que hoje muito se vai ler, falar e escrever sobre este assunto. Só posso dizer que estou realmente desiludida com os Americanos em geral, pois foram eles que permitiram o que daqui a diante vai acontecer.
Sem qualquer experiência política e militar, com 70 anos de idade e com cara de quem já levava uma chapada, 288 eleitores votaram, 288 eleitores decidiram e espero realmente que esse momento histórico nos EUA não seja a maior desgraça que a minha geração já viu.

Estou sem comentários, não sei mais que diga sobre esta trapalhada portanto vou comer que já se faz tarde.

Kisses and good luck americans (really, good luck!)

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Dormir, ou não dormir?

Eis a questão!

Bom dia bando de dorminhocos !

Este post é para todos aqueles que adoram dormir, mas, infelizmente não conseguem.
Eu sofro imenso de insónias, não era tanto quando mais nova, perto dos 20 anos começou a piorar e esta cabeça não para o que dificulta imenso o deitar e aterrar.
Tenho noites que faço de tudo, desde ao copinho de leite quente até ao banho morno. Mas a cabeça...

Desde que me conheço que penso em tudo, em demasia, faço aqui uns filmes dignos de serem escritos (not). Fora de brincadeiras, é muito complicado gerir este meu lado pensante com as horas necessárias de sono. Chega a um ponto que o que eu mais queria era conseguir deitar-me e ferrar que nem fazem os meus cães, oh... eles adormecem sempre tão rápido!

Não sou grande apologista de tomar medicação para dormir, tenho-a e evito-a. Sei que se tomar durmo que nem um anjinho e nem um terramoto conseguiria acordar-me, também sei que não é natural e por isso mesmo evito-o ao máximo.
Em ultima instância é fazer uma directa e cair redonda no dia seguinte, afinal, tanto o corpo como o cérebro precisam descansar.

O meu Pai dizia-me para ler antes de dormir, ora, eu tentei, mas acabei o(s) livro(s). Não dá para tentar dormir a pensar na trama seguinte, decidi então escrever antes de dormir, o resultado foi: uns quantos blogues por ai espalhados, (aliás no dia que publiquei este Blogue encerrei o meu outro onde escrevia quase diariamente) com imensos post's agendados pois tenho um problema grave quando começo a escrever, torna-se impossível escrever tão pouco, e apenas só sobre um determinado assunto

Também tentei chá, vários tipos de chá e inclusive valeriana mas deixa-me mal disposta ao fim de dois dias a tomar e não resulta.

Acho que tentei quase tudo o que já me sugeriram, inclusive médicos. Cheguei a uma triste conclusão sobre mim própria: não posso dormir enquanto não encerrar os assuntos pendentes.
Gostava de ser daquelas pessoas que dormem sobre o assunto mas não dá mesmo, ás vezes até o simples facto de ter um evento no dia seguinte, um exame ou algo em que tenha de estar tudo nos conformes (incluindo eu) faz com que eu passe a noite em claro.

Assim que sempre que possível tento então ter os meus assuntos mais ou menos resolvidos, penso por prioridades e coloco-os no patamar a que pertencem.
Parece super fácil mas não o é, sei que ao agir assim tenho tido menos noites em claro, mas o problema continua lá e algumas noite não escapo e fico a ver o sol nascer.

Alguém ai com insônias loucas e desnaturadas? Que tem por habito fazer para que passe e consigam arrochar?

kisses

domingo, 6 de novembro de 2016

Prioridades

Hellooo :D

Hoje escrevo sobre prioridades.
Até que ponto temos as nossas prioridades bem assentes a ponto de ninguém conseguir passar por elas (ou entre elas) ?

Todos necessitamos de criar um género de lista, de afazeres ou o que quer que seja, desde que no final tenhamos um conjunto de trapalhada visual que basicamente é a nossa vida. As nossas prioridades reflectem o que somos, e vice versa. Digo isto porque sinto fielmente que assim é, quando faço as minhas típicas listas geralmente divido-as em várias partes.
Agora? Mais tarde? Daqui a um ano? Etc.

Veremos sempre que a lista do mais tarde tem tendência a modificar-se, assim como nós e a nossa vida, regra geral.

O importante aqui é que mesmo aqueles seres humanos que não gostam de escrever, apontar e por ai fora, fazem listas. Listas mentais.
É uma necessidade muito humana, esta de ter tudo em ordem, ter listas para tudo e mais alguma coisa para que nada corra mal.

E no fundo é esse o intuito, nada correr mal com os planos que temos em mente. E todos os planos devem ser filtrados, por prioridades!
O que é mais urgente/Importante? É talvez a pergunta que se deveria fazer em primeiro lugar, assim como deveria estar em primeiro lugar na lista xD
Cuidado com as prioridades, lembrar sempre que são TUAS e de mais ninguém e por isso mesmo não se PODE, nem DEVE atropelar outra vida pelo caminho, acima de tudo, ter consciência de como fazer a nossa vida com prioridades nossas e que em nada atrapalham o futuro de outra pessoa.

Também não aconselho a pedir algum tipo de opinião sobre isso, é um objectivo pessoal, não social.
Ou vários objectivos, tendo sempre em conta se algum atrapalha o outro, se no final não vão dar muitos dos objectivos definidos ao mesmo e o mais importante de tudo acima referido, as prioridades devem ser o mais REAL possível !
Era o que mais faltava agora meter na cabeça que queria encontrar um unicórnio, ou um elefante cor-de-rosa com orelhas muito muito grandessss :P

Querer tudo e mais alguma coisa dá sempre me***, o dia só tem 24 horas, só vivemos uns 100 anos com sorte, não nascemos com jeito para tudo, portanto um pouco de realidade não faz mal a ninguém.

Focar nas prioridades mais básicas é um começo, cumprir é o caminho. Nem sempre é fácil, muitas vezes nem chegamos á recta final, quando assim for é recomeçar se faz favor !



kisses

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Rainy Days and blankets


Hey! 
Estes dias tem sido confusos, ora chove a potes, ora faz um calor abafado que só dá vontade não sair para nenhum lado!
Mas falando de dias chuvosos como o de hoje, em que se acompanha por um frio não muito frio mas-o-suficiente-para-uma-manta.
Adoro mantas, adoro ter sempre pelo menos uma à mão para o caso de.
E temos de admitir que os dias de chuva chamam isso e muito mais, nada como uma manta, colocar um filme e beber um chocolate caseiro acabadinho de fazer, melhor que isso é a companhia.
Eu pessoalmente adoro passar estes dias de chuva bem agarradinha ao meu mais que tudo e para não variar, com os patudos em cima dos dois!
Sabe tão bem e infelizmente a vida não se passa sempre em casa, nem sempre temos a sorte de estar em casa e ficar em casa num destes dias de chuva.

Eu não lido bem com chuva, não lido mesmo. Não me dá jeito nenhum passear os cães à chuva, não gosto de calçar galochas e mesmo com galochas acabo sempre por chegar encharcada a casa já para não dizer que sou perita em perder chapéus de chuva, ou mais honestamente, em esquecer-me deles em todo o lado. Se são dos grandes parece que ando de bengala nos sítios fechados, e nem todos possuem um lugar para os pousar sem ficares sem eles (existe sempre uma alminha que retira o chapéu de chuva que antes fora meu), se forem os pequenos....nunca percebi como conseguem guarda-los novamente na capa que vem de origem, eu não consigo, eu molho-me a tentar, eu fico frustada e desisto.

Mas realmente são jeito para guardar na mala, pelo menos a primeira vez, pois nem a capa consegue ser eficaz na água que por ali sai, tornando assim a mala mais um motivo de stress em dias de chuva.

Quanto aos que me leem, gostam de sair com chuva? Gostam de mantas para estes dias?

kisses